Planejamento Anual Alfabetização 1º ano do Ensino Fundamental.

Planejamento Anual 1º ano Alfabetização.

BIMESTRE
CONTEÚDO
OBJETIVO













































COM RELAÇÃO À LEITURA


  •  
                
COM RELAÇÃO À LEITURA

  • Apreciar o momento das histórias, acompanhando com atenção crescente a leitura do professor.
  • Comentar trechos das histórias lidas e seus personagens, com a ajuda do professor.
  • Apreciar as ilustrações dos livros lidos, relacionando-as com algumas passagens da trama e com o título da história, com a ajuda do professor.
  • Reconhecer a escrita do próprio nome, dos nomes de alguns colegas e do professor, utilizando informações como a letra inicial dos nomes, o fato de o nome ser simples ou composto, entre outras.
  • Começar a reconhecer a escrita de outras palavras que tenham adquirido relevância no contexto do trabalho desenvolvido até o momento, tais como as palavras que fazem parte das listas produzidas coletivamente (das atividades da rotina diária, de títulos das histórias lidas e das cantigas trabalhadas, dos personagens preferidos etc.).
  • Demonstrar disponibilidade para ler, com e/ou sem a ajuda do professor, de forma convencional ou não, textos cujo conteúdo sabem previamente de memória, tais como as letras das cantigas trabalhadas e também outros textos, como listas, títulos de histórias, legendas, colocando em ação comportamentos de leitor.
  • Reconhecer que a escrita serve para, entre outras funções, registrar e organizar o dia-a-dia na escola e pode ser uma fonte de informação, entretenimento e prazer.


COM RELAÇÃO À ESCRITA



                             
                              COM RELAÇÃO À ESCRITA

  • Reconhecer as diferenças entre a escrita e outros registros gráficos.
  • Escrever silabicamente, ainda que não utilizando o valor sonoro convencional das letras.
  • Produzir textos oralmente (dos gêneros trabalhados no bimestre), atentos a algumas características do gênero e da linguagem que se escreve.
  • Escrever observando a orientação e o alinhamento que caracterizam a escrita da língua portuguesa.

                   
COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL

  • Trocar idéias e opiniões;
  • Fazer uma pergunta relacionada ao tema da conversa;
  • Relatar um episódio do cotidiano;
  • Pedir uma informação;
  • Transmitir um recado;
  • Narrar uma história conhecida;
  • Falar de um assunto estudado;
  • Cantar uma canção ou recitar um poema.


COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL

  • Ouvir com atenção crescente os comentários do professor e dos colegas.
  • Comentar de forma cada vez mais pertinente os temas propostos pelo professor.
  • Dominar alguns procedimentos para participar de uma conversa, como esperar a vez para falar, com a ajuda do professor.




























































COM RELAÇÃO À LEITURA

  • Apreciar o momento das histórias, acompanhando com atenção a leitura do professor.
  • Comentar trechos das histórias lidas, sua trama, seus personagens e cenários.
  • Apreciar as ilustrações dos livros lidos, relacionando-as com algumas passagens da trama e com o título da história.
  • Utilizar a escrita do próprio nome e de outras palavras que tenham adquirido relevância no contexto do trabalho desenvolvido até o momento, como fonte de informação para ler outras palavras.
  • Demonstrar disponibilidade para ler, convencionalmente ou não, textos cujo conteúdo sabem previamente de memória, tais como as parlendas, ou textos dos quais conheçam o universo semântico, como as lista de personagens, títulos e trechos recorrentes dos contos de fadas.
  • Tentar, nas situações de leitura de textos memorizados, ajustar o falado ao escrito, apoiando-se nos conhecimentos que têm sobre as letras.
  • Apreciar expressões próprias da linguagem que se escreve.
  • Localizar e utilizar, de forma cada vez mais independente do professor, as informações
  • escritas na sala de aula para resolver dúvidas em relação ao que deseja escrever.



                              COM RELAÇÃO À ESCRITA

  • Produzir textos oralmente (dos gêneros trabalhados no bimestre), atentos a algumas características do gênero e da linguagem que se escreve.
  • Conhecer o nome e a representação gráfica de todas as letras do alfabeto, utilizando este conhecimento para escrever, mesmo que ainda não seja de maneira convencional.
  • Utilizar a escrita do próprio nome e de outras palavras que tenham adquirido relevância no contexto do trabalho desenvolvido até o momento como fonte de informação para escrever.
  • Escrever silabicamente, utilizando valor sonoro convencional das letras ainda que não seja em todas as situações de escrita.
  • Colocar-se no papel de escritor, disponibilizando-se a escrever os textos como listas, parlendas, cantigas, poemas, entre outros – mesmo que ainda não o façam convencionalmente.
  • Produzir oralmente contos de fadas, textos informativos e receitas, tendo o professor como escriba, considerando progressivamente as características discursivas desses gêneros e utilizando recursos da linguagem que se escreve.





COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL

  • Ouvir com atenção os comentários do professor e dos colegas.
  • Comentar de forma cada vez mais pertinente os temas propostos pelo professor.
  • Conhecer os procedimentos para participar de uma conversa (como esperar a vez para falar).
  • Recontar histórias conhecidas respeitando as características discursivas do texto-fonte e mantendo a seqüência cronológica dos acontecimentos.
  • Realizar, com ajuda, uma comunicação oral sobre um assunto estudado.




































COM RELAÇÃO A LEITURA

  • Ler diferentes gêneros (notícias, contos e textos instrucionais ou informativos, entre outros), com a ajuda do professor, apoiando-se em conhecimentos sobre o tema do texto, as características de seu portador, do gênero e do sistema de escrita.
  • Ler com autonomia placas de identificação, nomes, parlendas, adivinhas, poemas, canções, trava-línguas, listas e manchetes de jornal, entre outros textos.



COM RELAÇÃO À ESCRITA

  • Escrever alfabeticamente textos que conhece de memória (parlendas, adivinhas, poemas, canções e trava-línguas, entre outros), ainda que não segmentando o texto em palavras.
  • Escrever textos de autoria (listas, bilhetes e cartas, entre outros) individualmente, em duplas ou ditando-os para o professor.
  • Reescrever textos (lendas e contos, entre outros) de próprio punho ou ditando-os para o professor ou para colegas, considerando as idéias principais do texto-fonte e algumas características da linguagem escrita.



COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL

  • Participar de situações de intercâmbio oral, ouvindo com atenção e formulando perguntas sobre o tema tratado.
  • Apreciar textos pertencentes a diferentes gêneros (orais ou escritos), lidos autonomamente ou por um adulto, e recontar histórias conhecidas, recuperando algumas características do texto ouvido ou lido.












































COM REALÇÃO À LEITURA

  • Apreciar o momento das histórias, acompanhando com atenção a leitura do professor.
  • Ouvir com atenção a leitura de textos de divulgação científica, buscando ampliar seus conhecimentos sobre a linguagem escrita e sobre o tema.
  • Antecipar o conteúdo de um texto de divulgação científica pelo tema, pelo título ou por índices visuais como ilustrações.
  • Utilizar procedimentos de leitor relacionados à leitura feita com o propósito de estudar (textos de divulgação científica).
  • Apreciar a leitura das histórias em quadrinhos e conhecer algumas de suas convenções – orientação dos quadrinhos, uso dos balões, presença de títulos etc.



COM RELAÇÃO À ESCRITA

  • Buscar diferentes maneiras de expressar o mesmo conteúdo, procurando a forma mais precisa e objetiva (nos textos de divulgação científica) ou a mais convidativa (nos textos literários), com a preocupação de se fazer compreender e ao mesmo tempo envolver os futuros leitores.
  • Resolver, com a ajuda do professor e dos colegas, problemas encontrados no momento da produção escrita, tais como repetição excessiva de palavras ou emprego de palavras pouco usuais em textos escritos (embora comuns na comunicação oral).




COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL


  • Recontar histórias conhecidas, respeitando as características discursivas do texto-fonte e mantendo a seqüência dos acontecimentos.
  • Realizar, com ajuda do professor, uma comunicação oral sobre um assunto estudado.

METODOLOGIA.


COM RELAÇÃO À LEITURA

  • Proporcionar momentos diários nos quais os alunos tenham contato com diferentes portadores de texto (tais como jornais, revistas, livros informativos, folhetos, cartazes) e aprendam a conviver em um ambiente letrado e de valorização da leitura.
  • Planejar momentos de leitura do professor envolvendo textos de diferentes
  • gêneros para que os alunos comecem a perceber algumas características desses gêneros.
  • Propor situações de leitura do professor e do aluno com diferentes propósitos para que os alunos possam ampliar suas competências leitoras, tais como: ler rapidamente títulos e subtítulos até encontrar uma informação,selecionar uma informação precisa, ler minuciosamente para executar uma tarefa, reler um trecho para retomar uma informação ou apreciar aquilo que está escrito. Isso, sempre com a ajuda do professor e, inicialmente,
  • de forma coletiva ou em grupo.
  • Planejar atividades nas quais os alunos possam, com a ajuda do professor, fazer uso de indicadores (como o autor, o gênero, o assunto, o tipo de ilustração, o portador – se é um livro, uma revista ou um jornal, por exemplo) para aprender a antecipar o conteúdo do texto, inferir aquilo que está escrito e ampliar suas possibilidades de interpretá-lo.
  • Planejar momentos nos quais os alunos possam trocar idéias e opiniões, expor seus sentimentos. Recomendar um texto para que aprendam a comunicar aquilo que compreenderam do texto e suas interpretações – sempre com a ajuda do professor e, inicialmente, de forma coletiva ou em grupo.
  • Propor situações em que os alunos sejam convidados a ler um texto para aprimorar suas estratégias de busca e localização de informações em diferentes fontes escritas (jornais, revistas, enciclopédias, livros).
  • Planejar situações nas quais os alunos tenham de ler em voz alta, e assim consigam adquirir maior fluência na leitura, respeitando pontuação, entonação e ritmo.
  • Participar de situações de leitura silenciosa para aprender a utilizar de forma cada vez mais autônoma estratégias de leitura como a decifração, a seleção, a antecipação, a inferência e a verificação.
  • Propor atividades de leitura do professor e de leitura pelo aluno (individual ou coletiva) para que os alunos aprendam a inferir o significado de uma palavra pelo contexto ou procurar o significado dela no dicionário – somente quando este for fundamental para a compreensão do texto.
  • Planejar momentos nos quais os alunos possam ler e/ou ouvir a leitura de textos pelo professor e, assim, aprender a reconhecer o valor da leitura como fonte de fruição estética e  entretenimento.
  • Propor atividades nas quais os alunos adquiram autonomia para eleger aquilo que irão ler e assim passem a construir critérios próprios de escolha e preferência literária.
  • Planejar situações que propiciem aos alunos emprestar livros do acervo da classe e da biblioteca escolar para aprender a ter cuidado com os livros e demais materiais escritos, levando-os, sempre que possível, para casa.
  • Mostrar aos alunos que é possível antecipar ou inferir o conteúdo de um texto antes de fazer a leitura, a partir:
1. Do seu título;
2. Das suas imagens;
3. Da sua diagramação;
4. Das informações contidas na capa, contracapa e no índice (no caso de livros e revistas).
  • Ensinar os alunos a coordenar a informação presente no texto com as informações  oriundas das imagens que o ilustram (como, por exemplo, nos contos, nas histórias em quadrinhos, em cartazes, em textos expositivos e nas notícias de jornal).
  • Atribuir significado a textos de gêneros variados;
  • Fazer uso de estratégias de leitura (seleção, antecipação, decodificação, inferência, verificação);
  • Colocar em ação diferentes modalidades de leitura em função do texto e dos
  • Propósitos da leitura (ler para buscar uma informação, ler para se entreter, Ler para compreender etc.);
  • Confrontar idéias, opiniões e interpretações, comentando e recomendando leituras, entre outras possibilidades;
  • Apropriar-se das características discursivas, convenções e estruturas lingüísticas de cada gênero textual.
  •  

COM RELAÇÃO À ESCTRITA

  • Desenvolver atividades de leitura e de escrita que permitam aos alunos aprender os nomes das letras do alfabeto, a ordem alfabética, a diferença entre a escrita e outras formas gráficas e convenções da escrita (orientação do alinhamento, por exemplo).
  • Apresentar o alfabeto completo, desde o início do ano, e organizar atividades de escrita em que os alunos façam uso de letras móveis.
  • Planejar situações em que os alunos tenham necessidade de fazer uso da ordem alfabética, considerando algumas de suas aplicações sociais.
  • Propor atividades de reflexão sobre o sistema alfabético a partir da escrita de nomes próprios, rótulos de produtos conhecidos e de outros materiais afixados nas paredes (ou murais) da sala, tais como listas, calendários, cantigas, títulos de histórias, de forma que os alunos consigam,
  • guiados pelo contexto, antecipar aquilo que está escrito e refletir sobre as partes do escrito (quais letras, quantas e em que ordem elas aparecem).
  • Planejar situações em que os alunos sejam colocados para escrever textos cuja forma não sabem de memória, pois isso permite ao professor descobrir as idéias que orientam as escritas dos alunos e assim planejar boas intervenções e agrupamentos produtivos.
  • Participar de situações de escrita nas quais os alunos possam utilizar, num primeiro momento, a letra bastão e assim construir um modelo regular de representação gráfica do alfabeto. Proporcionar também contato, por meio da leitura, com textos escritos em letras de estilos variados, inclusive com letras minúsculas.
  • Propor situações nas quais os alunos tenham de elaborar oralmente textos cujo registro escrito será realizado pelo professor com o objetivo de auxiliá-los a entender fatos e construir conceitos, procedimentos, valores e atitudes relacionados ao ato de escrever.
  • Planejar situações de produção de texto individual, coletiva ou em grupo para que os alunos aprendam a planejar, escrever e rever conforme as intenções que se tem com o texto e o seu destinatário.
  • Propor momentos em que os alunos sintam-se capazes de elaborar várias versões de um mesmo texto para melhorá-lo e, assim, compreender a revisão como parte do processo de produção.
  • Participar de situações de análise de textos impressos (utilizados como
  • referência ou modelo) para conhecer e apreciar a linguagem que se usa
  • para escrever.
  • Participar de situações de escrita e revisão de textos para que possam aprender a se preocupar com a qualidade das produções escritas próprias, tanto no que se refere aos aspectos textuais como à apresentação gráfica.
  • Planejar propostas de produção de textos (coletivas, em duplas ou grupos) definindo previamente quem serão os leitores, o propósito e o gênero de acordo com a situação comunicativa.
  • Planejar situações que levem os alunos a aprender alguns procedimentos de escrita, tais como: prever o conteúdo de um texto antes de escrevê-lo, redigir rascunhos, revisar e cuidar da apresentação do texto, sempre com a ajuda do professor.
  • Desenvolver projetos didáticos ou seqüências didáticas nas quais os alunos produzam textos com diferentes propósitos e, assim, revisem distintas versões até considerarem o texto bem escrito, cuidando da apresentação final, sempre com a ajuda do professor.
  • Desenvolver atividades de revisão de textos (coletiva, individual, em dupla ou grupo) em que os alunos se coloquem na perspectiva de leitor do texto para melhorá-lo (modificar, substituir partes do texto), sempre com a ajuda do professor.
  • Programar atividades de análise de textos bem elaborados de autores reconhecidos para que os alunos consigam, com a ajuda do professor, observar e apreciar como autores mais experientes escrevem (como descrevem um personagem, como resolvem os diálogos, evitam repetições, fazem uso da letra maiúscula, da pontuação...).
  • Propor atividades de escrita (coletivas, em duplas ou grupos) nas quais os alunos tenham de discutir entre si sobre a escrita de algumas palavras (os nomes da turma, os títulos de histórias conhecidas etc.) e, assim, compartilhar suas dúvidas e decidir sobre a escrita dessas palavras, sempre com a ajuda do professor.
Não é esperado que eles escrevam com fluência os mais variados tipos de texto, mas sim que:
  • Escrevam textos que conhecem de memória (parlendas, adivinhas, poemas, canções, trava-línguas, entre outros), ainda que não segmentem o texto em palavras e ocorram trocas e omissões. 
  • Escrevam textos de autoria (listas, bilhetes, cartas, entre outros) individual,
  • em duplas ou ditando-os para o professor.
  • Reescrevam textos (lendas, contos, entre outros) de próprio punho ou ditando-os para o professor ou colegas, considerando as idéias principais do texto-fonte e algumas características da linguagem escrita.


COM RELAÇÃO À COMUNICAÇÃO ORAL

  • De conversação para que os alunos possam aprender a ouvir com atenção crescente, intervir sem sair do assunto tratado, formular e responder a perguntas, explicar, manifestar opiniões próprias e respeitar a dos outros  – isso considerando o contexto dos estudos realizados nas diferentes áreas do currículo (Ciências, Matemática, Artes etc.).
  • Nas quais os alunos possam narrar uma história conhecida para aprender a selecionar os aspectos relevantes da história, necessários à compreensão da sua narrativa, e para que possam conhecer, utilizar e se apropriar de algumas das características discursivas do texto-fonte.
  • Na quais os alunos necessitem recuperar informações obtidas em textos informativos e instrucionais, utilizando algumas das características discursivas do texto-fonte.
  • Nas quais os alunos possam manifestar interesse crescente por ouvir e expressar sentimentos, experiências, idéias e opiniões.
  • De conversação para que os alunos aprendam a respeitar modos de falar diferentes do seu próprio.
  • Nas quais os alunos tenham de falar de maneira mais formal e, assim, aprender a se preparar para falar em determinadas situações, tais como: entrevistas, saraus literários, recitais de poemas, parlendas, trava-línguas, cantorias de cantigas populares, apresentações no estilo de seminários em que eles possam utilizar apoios escritos (cartazes, roteiros etc.).
  • De apreciação da produção oral alheia e própria para que aprendam a observar e avaliar os elementos necessários para a compreensão de quem ouve e a adequação da linguagem utilizada à situação comunicativa.


AVALIAÇÃO
DIAGNÓSTICA
SONDAGENS NO DECORRER DO ANO
PRPOSTAS DE MEDIAÇÕES


Nenhum comentário:

Postar um comentário